segunda-feira, maio 28, 2007

sonhei com a morte

"Era um dia quase normal de família, todos reunidos e tudo normal. Então algo estranho no ar, um clima pesado. Os humores mudaram, havia agora um clima estratégico e gélido. Caía neve, chovia. Era tudo deserto. Somente nós na casa. Algumas discussões entre a família e intrusos. Então minha mãe está morta. Meu pai faz seu funeral sozinho com a ajuda de alguém que nem sei quem é. Mas ao invés de interra-la na terra, eles a jogam na piscina que está cheia de água gélida por causa da neve. Minha mãe embrulhada num manto esquimó de olhos fechados e tão branca quase roxa. Um golpe no coração. Certeiro. Não podia acreditar naquilo, naquela perda tão grande e repentina. Meus olhos não aguentavam ver aquilo. Olhei pro meu pai e ele mantia-se sério, impassível, grave. A respiração foi falha, mas enguli e o dia passou. Eu tinha que lidar com aquilo, o nunca mais ou pra sempre. A rotina voltou de alguma forma e ninguém sabia da morte, e muito menos do corpo na piscina. Meu pai não falava nada. Eu o observava sofrendo dentro de mim, mas de alguma forma sabia que também não devia falar. Ele naquela postura de líder irredutível, expressão austera e quase serena não fosse sua gravidade em baixo dos olhos. Aqueles dias passavam e dentro de mim mal cabia de tristeza. Fui pro meu quarto lembrando da cena. Sentei-me na cama do cômodo escuro e foi como se uma tromba d'água viesse de dentro de mim alavancando tudo pela frente. O coração acelerado, as lágrimas jorrando. Doía muito, doía demais. Então minha mãe sentou-se do meu lado e me abraçou. Abraçou carinhosamente auquele abraço materno, tão quieto aparando minhas águas."

3 comentários:

Amanda_Bia disse...

ai que triste! deu até uma dor no coração. foi sonho mesmo, ou você inventou?
beijos!

J.R disse...

esses sonhos são pavorosos. Sensações fortíssimas e cruéis. Detesto ter que sonha-los

Cybersein disse...

Sobre os sonhos, ninguém nunca poderá dizer que Freud estava errado.

Mudando de assunto totalmente: vc assistiu Irreversível? Tem uma frase sobre isso que vale o filme inteiro.

Abraço!